quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Força Vital?

 http://4.bp.blogspot.com/_iHdggnNDhc0/SikYlo7CJaI/AAAAAAAAAeI/128I1iXMHKk/s320/interroga%C3%A7%C3%A3o.jpg

Desde que o homem se tornou capaz de pensar, ele se pergunta no que consiste o universo e como ele veio a existir. Grosso modo, dois pontos de vista foram sustentados. O primeiro deles é o que chamamos de materialista. Quem o adota afirma que a matéria e o espaço simplesmente existem e sempre existiram, ninguém sabe por quê. A matéria, que se comporta de formas fixas, veio, por algum acidente, a produzir criaturas como nós, criaturas capazes de pensar.

Numa chance em mil, um corpo se chocou contra o sol e gerou os planetas. Por outra chance infinitesimal, as substâncias químicas necessárias à vida e a temperatura correta se fizeram presentes num desses planetas, e, assim, uma parte da matéria desse planeta ganhou vida. Depois, por uma longuíssima série de coincidências, as criaturas viventes se desenvolveram até se tornarem seres como nós. O outro ponto de vista é o religioso*. Segundo ele, o que existe por trás do universo se assemelha mais a uma mente que a qualquer outra coisa conhecida. Ou seja, é algo consciente e dotado de objetivos e preferências. De acordo com essa visão, esse ser criou o universo. Alguns dos seus desígnios são ocultos, enquanto outros são bastante claros: produzir criaturas semelhantes a si mesmo — quero dizer, semelhantes na medida em possuem mentes. Por favor, não pensem que um destes pontos de vista era sustentado há muito tempo e aos poucos foi cedendo lugar ao outro. Onde quer que tenha havido homens pensantes, os dois pontos de vista sempre apareceram de uma forma ou de outra. Notem também que, para saber qual deles é o correto, não podemos apelar à ciência no sentido comum dessa palavra. 

A ciência funciona a partir da experiência e observa como as coisas se comportam. Todo enunciado científico, pormais complicado que pareça à primeira vista, na verdade significa algo como "apontei o telescópio para tal parte do céu às 2h20min do dia 15 de janeiro e vi tal e tal fenómeno", ou "coloquei um pouco deste material num recipiente, aqueci-o a uma temperatura X e tal coisa aconteceu". Não pensem que eu esteja desmerecendo a ciência; estou apenas mostrando para que ela serve. Quanto mais sério for o homem de ciência, mais (no meu entender) ele concordará comigo quanto ao papel dela - papel, aliás, extremamente útil e necessário. Agora, perguntas como "Por que algo veio a existir?" e "Será que existe algo - algo de outra espécie — por trás das coisas que a ciência observa?" não são perguntas científicas. Se existe "algo por trás", ou ele há de manter-se totalmente desconhecido para o homem ou far-se-á revelar por outros meios. A ciência não pode dizer nem que tsst ser existe nem que não existe, e os verdadeiros cientistas geralmente não fazem essas declarações. São quase sempre jornalistas e romancistas de sucesso que as produzem a partir de informações coletadas em manuais de ciência popular e assimiladas de maneira imperfeita. Afinal de contas, tudo não passa de uma questão de bom senso.

Suponha que a ciência algum dia se tornasse completa, tendo o conhecimento total de cada mínimo detalhe do universo. Não é óbvio que perguntas como "Por que existe um universo?", "Por que ele continua existindo?" e "Qual o significado de sua existência?" continuariam intactas?

* Para manter esta seção curta o suficiente para ir ao ar, só mencionei os pontos de vista materialista e religioso. Para completar o quadro, tenho de mencionar o ponto de vista intermediário entre os dois, a chamada filosofia da Força Vital, ou Evolução Criativa, ou Evolução Emergente, cuja exposição mais brilhante e arguta encontra-se nas obras de Bernard Shaw, ao passo que a mais profunda, nas de Bergson. Seus defensores dizem que as pequenas variações pelas quais a vida neste planeta "evoluiu" das formas mais simples à forma humana não ocorreram em virtude do acaso, mas sim pelo "esforço" e pela "intenção" de uma Força Vital. Quando fazem tais afirmações, devemos perguntar se, por Força Vital, essas pessoas entendem algo semelhante a uma mente ou não. Se for semelhante, "uma mente que traz a vida à existência e a conduz à perfeição" não é outra coisa senão Deus, e seu ponto de vista é idêntico ao religioso. Se não for semelhante, qual o sentido, então, de dizer que algo sem mente faça um "esforço" e tenha uma "intenção"? Este argumento me parece fatal para esse ponto de vista. Uma das razões pelas quais as pessoas julgam a Evolução Criativa tão atraente é que ela dá o consolo emocional da crença em Deus sem impor as consequências desagradáveis desta. Quando nos sentimos ótimos e o sol brilha lá fora, e não queremos acreditar que o universo inteiro se reduz a uma dança mecânica de átomos, é reconfortante pensar nessa gigantesca e misteriosa Força evoluindo pelos séculos e nos carregando em sua crista. Se, por outro lado, queremos fazer algo escuso, a Força Vital, que não passa de uma força cega, sem moral e sem discernimento, nunca vai nos atrapalhar como fazia o aborrecido Deus que nos foi ensinado quando éramos crianças. A Força Vital é como um deus domesticado. Você pode tirá-lo de dentro da caixa sempre que quiser, mas ele não vai incomodá-lo em ocasião alguma — todas as coisas boas da religião sem custo nenhum. Não será a Força Vital a maior invenção da fantasia humana que o mundo jamais viu? (grifo meu)

Trecho do Livro: Cristianismo Puro e Simples
Autor: C. S. Lewis
Páginas: 15-16

Nota: Nesse trecho do livro C. S. Lewis fala dos três principais pontos de vistas que o homem tem sobre si mesmo, a vida, propósitos e essas questões mais profundas. No final ele fala sobre o ponto de vista dos que acreditam na "força vital", ou ainda: energia, força superior e por ai a fora. Onde, como o autor mesmo mostrou, tudo é relativo e depende apenas da vontade da pessoa que tem essa visão: a sua opinião e seus valores podem mudar e mudam conforme sua necessidade. É uma invenção para tentar dar algum valor e propósito mais profundo para a vida, ou seja, o mesmo que o ponto de vista religioso mas sem se importar com um valor ou uma moral abosluta, é mais ou menos assim: você ai com sua "força vital" e eu aqui com a minha "força vital", mesmo que contraditórias. Por isso é apenas uma invenção humana. Muitas pessoas que hoje vivem como bem entendem e seguindo suas próprias vontades precisam saber que um dia serão julgadas. Isso não é e nem deve soar como uma ameça mas é a verdade e por isso deve ser dita.

Caro leitor se esse é o seu caso não esqueça que Deus olha por você e espera sua volta, não se iluda mais com a filosofia humana, seu pensamento ou com o seu coração. Quanto tempo mais você vai se enganar? A verdade não vai estar dentro de você enquanto Jesus não for o dono de sua vida, enquanto não for o centro dela. Quando você decidir entregar-se completamente a Ele ai sim poderás encontrar a verdade, a saber: Jesus Cristo. Tome essa decisão de coração de uma vez por todas, a vida é breve e amanhã pode ser tarde.

Aceite uma vida de amor e liberdade verdadeiras!

Nenhum comentário:

Postar um comentário