terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A Gaiola Vazia

 


Um dia, um homem chamado George Thomas, um bispo de uma pequena cidade nos Estados Unidos, chegou na igreja na parte da manhã, trazendo na mão uma gaiola vazia e colocou-a em cima do púlpito. Muitas pessoas ficaram curiosas e ele começou a falar....
Eu estava andando na rua ontem quando eu vi um rapaz que vinha em minha direção. Ele estava balançando esta gaiola e nela havia três pássaros pequenos que estavam tremendo de frio e medo. Eu perguntei ao rapaz:
O que você tem aí?
Só alguns pássaros velhos.
O que vai fazer com eles?
Vou levá-los para casa e vou brincar com eles. Eu vou amolá-los e vou arrancar suas penas, eu vou ter um bom passatempo com eles.
Mais você vai cansar deles cedo ou tarde. O que vai fazer com ele depois?
Tenho alguns gatos e eles gostam de pássaros. Vou dá-los a eles.
O bispo fez silêncio por um momento e perguntou: quanto quer pelos pássaros?
O que???? O senhor quer esses pássaros? Eles são somente pássaros velhos que não cantam e não são bonitos.
Quanto? O bispo perguntou. O rapaz pensou que o bispo estava louco e falou:
Dez dólares. O bispo retirou dez dólares do bolso e colocou na mão do rapaz. Rapidamente o rapaz saiu.
Em seguida o bispo levou a gaiola e encontrou um lindo lugar. Ele abriu a porta e soltou todos os pássaros. Isto explica porque ele teve a gaiola no púlpito, e então o bispo começou a contar a história...
Um dia Satanás e Jesus estavam tendo um diálogo. Satanás havia voltado do Jardim do Éden, olhando com satisfação:
Sim, Senhor. Eu capturei o mundo enchendo-o completamente de pessoas lá em baixo. Coloquei algumas armadilhas, usei iscas e eu sabia que eles não poderiam resistir. Capturei todos eles.
O que vai fazer com eles? Perguntou Jesus Cristo.
Eu vou ter uma grande diversão com eles. Vou ensinar como casar-se e divorciar-se. Como abusar-se mutuamente. Como inventar armas e bombas e matarem-se mutuamente. Eu realmente vou ter divertimento.
E o que você vai fazer quando se cansar dessas coisas?
Vou matá-los e condená-los.
Jesus então perguntou: quanto você quer por eles?
E Satanás respondeu: você não quer essas pessoas. Elas não são boas e se ajudá-los vão detestá-lo. Eles vão cuspir em você, maldizer-te e matá-lo.
Você não vai querê-los.
Quanto? Perguntou Jesus.
Satanás olhou para Jesus e zombou dele: eu quero todas as suas lágrimas e todo o seu sangue.

"Jesus pagou o preço. Ele levou a gaiola e nos abriu a porta."

Que possamos fazer com que o sacrifício que Cristo fez por nós realmente possa ser válido, e que busquemos levar uma vida de retidão para dessa maneira expressarmos um pouco da gratidão que sentimos pelo seu sofrimento pelos nossos pecados.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

A Teologia de Avatar

http://bomdia.news352.lu/images/divers/Cinema/avatar_filme.jpg

   O sucesso de “Avatar” foi bilionário. Os efeitos visuais do filme de J. Cameron são mesmo incríveis — assisti em 3D. A mensagem central é alinhada ao que tem sido considerado politicamente correto pelo paradigma socialoide, tanto antropológica como ecologicamente. Milhares de povos têm sido de fato destruídos ao longo da história por causa da ganância império-colonialista, que passa como um rolo compressor por cima de terras, casas, referências culturais, corpos e o que mais for preciso em nome do lucro. Tangencialmente somos informados que a Terra já teria seu habitat destruído — e agora vemos os homens (machos brancos) exportando para os limites da galáxia a cultura de exploração destrutiva, garantida por tropas militares (mercenários sem bandeira, mas que se comunicam no idioma do mercado…), enquanto os frágeis (mulher e deficiente físico) salvam o mundo imaginado no espaço. Uma projeção na telona das angústias e anseios da humanidade.

    Então, a mensagem de preservação de povos, culturas e o meio ambiente é bacana e necessária. Porém chamo a atenção para a teologia (o discurso sobre o deus, o divino, a deidade) que é sedimentada na mente dos expectadores “almiabertos” (boquiabertos). Não é questão de demonizar a produção e não assistir ao filme, mas de saber os corantes e conservantes que o compõem e aos quais somos expostos (e que não são informados na embalagem) e que, em alguns casos, colateralmente, poderão redundar nalgum câncer espiritual.

   Cito a Wikipédia, por ser uma referência popular: “Avatar é uma manifestação corporal de um ser imortal, segundo a religião hindu, por vezes até do Ser Supremo. Deriva do sânscrito ‘Avatāra’, que significa ‘descida’, normalmente denotando uma (religião), encarnações de Vishnu (tais como Krishna), que muitos hinduístas reverenciam como divindade… Qualquer espírito que ocupe um corpo de carne, representando assim uma manifestação divina na Terra…” Quando essa forma impersonalizada de Deus transcende daquela dimensão elevada para o plano material do mundo, ele — ou ela — é conhecido então como a encarnação ou Avatara… Em uma concepção mais abrangente, a encarnação poderia ser descrita como o corpo de carne. Mas essa concepção seria talvez errada, conquanto tais formas divinas não se tornam reais seres de carne e osso, ou assumem corpos materiais. Uma alma comum assume corpos materiais de carne e osso, mas no caso dessa manifestação divina, seu corpo e sua alma transcendem a matéria e, embora apareçam como impersonalizações, aquele corpo também pertence a sua essência espiritual… Essa palavra “Avatar” se tornou popular entre os meios de comunicação e informática devido às figuras que são criadas à imagem e semelhança do usuário, permitindo sua “impersonalização” no interior das máquinas e telas de computador… Tal criação assemelha-se a um avatar por ser uma transcendência da imagem da pessoa, que ganha um corpo virtual, desde os anos 80, quando o nome foi usado pela primeira vez em um jogo de computador… Mas a primeira concepção de avatar vem primariamente dos textos hindus, que citam Krishna como o oitavo avatar — ou encarnação — de Vishnu, a quem muitos hindus adoravam como um Deus”.

   Não há como ignorar o componente teológico envolvido no filme. Primeiro, pelo nome do filme em si (a orientalização do Ocidente é uma tendência que vem crescendo desde meados do século 20), assim como por um linguajar que faz referência e remete ao hinduísmo. Segundo, pela ideia de espírito / mente de um ser “transmigrar” para outro corpo (em “Avatar”, paralelamente, num mesmo tempo e espaço; no hinduísmo, sucessivamente, noutro tempo e forma de vida). Terceiro, e principalmente, pela noção panteísta de divindade, ou seja, um poder divino embutido na natureza, visualizado e adorado em forma de árvore especial, com a qual é possível estabelecer contato e comunicação (é pessoal), que elege seres para tarefas salvíficas, que mantém aquele mundo em equilíbrio, que move os elementos (animais, por exemplo) que compõem aquele cosmos, que toma a vida (decide quem continua a viver), que realiza o milagre de transferir efetivamente uma alma de um corpo para outro. Quarto, pela semelhança sonora entre o nome da divindade (Eiwa) com Jeová. Seria a tentativa de alguma redefinição do Deus revelado por Jesus, segundo a Escritura? (A tendência atual não é ateísmo, mas uma forma religiosa natural, mais palatável que o Deus bíblico.) Ainda há outros aspectos, mas esses bastam para mostrar o ponto: “Avatar” está cheio de elementos teológicos, no caso, panteístas.

   O contraste com o Deus da Bíblia é enorme, pois ele é o Deus Eterno, Criador, o Deus Soberano no universo (não limitado a uma lua do cosmos), o Deus que é espírito puro, o Deus Pai de Jesus Cristo (chamado por alguns hindus modernos de um avatar…), o Deus que ama e salva a sua criação entrando na história e assumindo a cruz para resgatá-la.
Sem paranoia, mas vigiando (levando em conta que J. Cameron patrocinou um documentário que questiona a ressurreição de Jesus), o que a cultura contemporânea vem sedimentando em nossa alma? Quais serão os efeitos espirituais reais que tal cosmovisão terá sobre a mente de milhões de consumidores desse tipo de cultura?

   Pessoalmente, não gostaria de viver em sociedades como as que a teologia hindu pariu (idealizada pela novela “Caminho das Índias”). É claro, portanto, que há uma relação direta entre a teologia e o modo de vida, entre uma teologia idólatra e um modo de vida igualmente reduzido, entre uma concepção panteísta da divindade e uma espiritualidade esvaziada da cruz.
Não vivemos sem cultura. Alimentamo-nos constantemente dela. Esse artigo tem por objetivo despertar a atenção para as expressões culturais que ingerimos. A ideia é provocar reflexão e reação. Gostaria muito de saber quais foram as suas impressões sobre o filme, de ouvir sua ressonância, ainda mais que o diretor já anunciou a continuação de “Avatar” em mais um ou dois filmes.

Autor: Christian Gillis
Fonte: Ultimato

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Força Vital?

 http://4.bp.blogspot.com/_iHdggnNDhc0/SikYlo7CJaI/AAAAAAAAAeI/128I1iXMHKk/s320/interroga%C3%A7%C3%A3o.jpg

Desde que o homem se tornou capaz de pensar, ele se pergunta no que consiste o universo e como ele veio a existir. Grosso modo, dois pontos de vista foram sustentados. O primeiro deles é o que chamamos de materialista. Quem o adota afirma que a matéria e o espaço simplesmente existem e sempre existiram, ninguém sabe por quê. A matéria, que se comporta de formas fixas, veio, por algum acidente, a produzir criaturas como nós, criaturas capazes de pensar.

Numa chance em mil, um corpo se chocou contra o sol e gerou os planetas. Por outra chance infinitesimal, as substâncias químicas necessárias à vida e a temperatura correta se fizeram presentes num desses planetas, e, assim, uma parte da matéria desse planeta ganhou vida. Depois, por uma longuíssima série de coincidências, as criaturas viventes se desenvolveram até se tornarem seres como nós. O outro ponto de vista é o religioso*. Segundo ele, o que existe por trás do universo se assemelha mais a uma mente que a qualquer outra coisa conhecida. Ou seja, é algo consciente e dotado de objetivos e preferências. De acordo com essa visão, esse ser criou o universo. Alguns dos seus desígnios são ocultos, enquanto outros são bastante claros: produzir criaturas semelhantes a si mesmo — quero dizer, semelhantes na medida em possuem mentes. Por favor, não pensem que um destes pontos de vista era sustentado há muito tempo e aos poucos foi cedendo lugar ao outro. Onde quer que tenha havido homens pensantes, os dois pontos de vista sempre apareceram de uma forma ou de outra. Notem também que, para saber qual deles é o correto, não podemos apelar à ciência no sentido comum dessa palavra. 

A ciência funciona a partir da experiência e observa como as coisas se comportam. Todo enunciado científico, pormais complicado que pareça à primeira vista, na verdade significa algo como "apontei o telescópio para tal parte do céu às 2h20min do dia 15 de janeiro e vi tal e tal fenómeno", ou "coloquei um pouco deste material num recipiente, aqueci-o a uma temperatura X e tal coisa aconteceu". Não pensem que eu esteja desmerecendo a ciência; estou apenas mostrando para que ela serve. Quanto mais sério for o homem de ciência, mais (no meu entender) ele concordará comigo quanto ao papel dela - papel, aliás, extremamente útil e necessário. Agora, perguntas como "Por que algo veio a existir?" e "Será que existe algo - algo de outra espécie — por trás das coisas que a ciência observa?" não são perguntas científicas. Se existe "algo por trás", ou ele há de manter-se totalmente desconhecido para o homem ou far-se-á revelar por outros meios. A ciência não pode dizer nem que tsst ser existe nem que não existe, e os verdadeiros cientistas geralmente não fazem essas declarações. São quase sempre jornalistas e romancistas de sucesso que as produzem a partir de informações coletadas em manuais de ciência popular e assimiladas de maneira imperfeita. Afinal de contas, tudo não passa de uma questão de bom senso.

Suponha que a ciência algum dia se tornasse completa, tendo o conhecimento total de cada mínimo detalhe do universo. Não é óbvio que perguntas como "Por que existe um universo?", "Por que ele continua existindo?" e "Qual o significado de sua existência?" continuariam intactas?

* Para manter esta seção curta o suficiente para ir ao ar, só mencionei os pontos de vista materialista e religioso. Para completar o quadro, tenho de mencionar o ponto de vista intermediário entre os dois, a chamada filosofia da Força Vital, ou Evolução Criativa, ou Evolução Emergente, cuja exposição mais brilhante e arguta encontra-se nas obras de Bernard Shaw, ao passo que a mais profunda, nas de Bergson. Seus defensores dizem que as pequenas variações pelas quais a vida neste planeta "evoluiu" das formas mais simples à forma humana não ocorreram em virtude do acaso, mas sim pelo "esforço" e pela "intenção" de uma Força Vital. Quando fazem tais afirmações, devemos perguntar se, por Força Vital, essas pessoas entendem algo semelhante a uma mente ou não. Se for semelhante, "uma mente que traz a vida à existência e a conduz à perfeição" não é outra coisa senão Deus, e seu ponto de vista é idêntico ao religioso. Se não for semelhante, qual o sentido, então, de dizer que algo sem mente faça um "esforço" e tenha uma "intenção"? Este argumento me parece fatal para esse ponto de vista. Uma das razões pelas quais as pessoas julgam a Evolução Criativa tão atraente é que ela dá o consolo emocional da crença em Deus sem impor as consequências desagradáveis desta. Quando nos sentimos ótimos e o sol brilha lá fora, e não queremos acreditar que o universo inteiro se reduz a uma dança mecânica de átomos, é reconfortante pensar nessa gigantesca e misteriosa Força evoluindo pelos séculos e nos carregando em sua crista. Se, por outro lado, queremos fazer algo escuso, a Força Vital, que não passa de uma força cega, sem moral e sem discernimento, nunca vai nos atrapalhar como fazia o aborrecido Deus que nos foi ensinado quando éramos crianças. A Força Vital é como um deus domesticado. Você pode tirá-lo de dentro da caixa sempre que quiser, mas ele não vai incomodá-lo em ocasião alguma — todas as coisas boas da religião sem custo nenhum. Não será a Força Vital a maior invenção da fantasia humana que o mundo jamais viu? (grifo meu)

Trecho do Livro: Cristianismo Puro e Simples
Autor: C. S. Lewis
Páginas: 15-16

Nota: Nesse trecho do livro C. S. Lewis fala dos três principais pontos de vistas que o homem tem sobre si mesmo, a vida, propósitos e essas questões mais profundas. No final ele fala sobre o ponto de vista dos que acreditam na "força vital", ou ainda: energia, força superior e por ai a fora. Onde, como o autor mesmo mostrou, tudo é relativo e depende apenas da vontade da pessoa que tem essa visão: a sua opinião e seus valores podem mudar e mudam conforme sua necessidade. É uma invenção para tentar dar algum valor e propósito mais profundo para a vida, ou seja, o mesmo que o ponto de vista religioso mas sem se importar com um valor ou uma moral abosluta, é mais ou menos assim: você ai com sua "força vital" e eu aqui com a minha "força vital", mesmo que contraditórias. Por isso é apenas uma invenção humana. Muitas pessoas que hoje vivem como bem entendem e seguindo suas próprias vontades precisam saber que um dia serão julgadas. Isso não é e nem deve soar como uma ameça mas é a verdade e por isso deve ser dita.

Caro leitor se esse é o seu caso não esqueça que Deus olha por você e espera sua volta, não se iluda mais com a filosofia humana, seu pensamento ou com o seu coração. Quanto tempo mais você vai se enganar? A verdade não vai estar dentro de você enquanto Jesus não for o dono de sua vida, enquanto não for o centro dela. Quando você decidir entregar-se completamente a Ele ai sim poderás encontrar a verdade, a saber: Jesus Cristo. Tome essa decisão de coração de uma vez por todas, a vida é breve e amanhã pode ser tarde.

Aceite uma vida de amor e liberdade verdadeiras!

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Se Nascemos de Novo, como Podemos Permanecer em Pecado?

Por: Filipe Bento

Impressionante o foco que é dado em púlpito, sobre a natureza carnal do “crente”.

Incansavelmente, dizem assim: “Deus te aceita como você é, pecador. Não vai te amar menos, por que você pecou. Não sofra por causa disso. Jesus morreu para te libertar desse sofrimento”.
Outros dizem: “Todos pecam, eu peco, você peca”.

Crendo que há boa, mas ingênua intenção, para com os “não alcançados”, esse tipo de abordagem é demasiadamente perigosa, visto que, para muitos, isso pode soar quase como: “Amigão, não se preocupe, por que não tem jeito, você sempre vai pecar, não precisa sofrer por causa disso. Afinal você não tem culpa, é a sua natureza. Deus é amor e te aceita assim. Jesus levou toda sua culpa. Venha aqui na frente para se sentir melhor”.

E então? É tudo mentira?

Realmente todos somos pecadores, é o que a Bíblia nos diz em Romanos 3.23 “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;”

Bom, se todos pecaram, por que me incomoda o fato de estarem “batendo nessa tecla”? Alguns podem estar pensando: “Você está falando de salvação por obras da lei. Não é só pela graça que somos salvos?”

Quero chamar a sua atenção para uma questão posterior a salvação, isso nada tem a ver com o motivo da salvação, pois não estamos aqui falando de salvação, afinal essa etapa já passou, não é?

A questão é: Se, já fomos então justificados pelo sangue de Cristo através da infinita graça de Deus, pode um “crente” viver na vida de pecado e nada mudar?

Paulo diz: “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que abunde a graça? De modo nenhum. Nós, que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele?” Romanos 6.1-2

Certo pregador uma vez disse: “Como podemos ter um encontro com algo tão grandioso como Deus, através de seu filho, Jesus, e continuarmos do mesmo jeito? Poderia você ter um encontro com um caminhão em alta velocidade e permanecer intacto?”

Paulo seguindo em sua carta aos Romanos: “Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus.” Cap 6.11

Quando temos um encontro real com Deus, morremos para o pecado. E morrer para o pecado significa mudança de vida, não?

Quando o evangelho é pregado parcialmente, e dessa forma, com um “pseudo-amor”, quase sou convencido que é melhor largar a mão de sofrer por ter uma natureza carnal, já que nunca vou conseguir me livrar dela. E se a graça me foi dada assim, de graça, por que então me preocupar? Eu já não vou pro céu? Não preciso fazer mais nada.

Mas por que Paulo então escreve tal recomendação em seguida?

“Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para obedecerdes às suas concupiscências; nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado como instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como redivivos dentre os mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Romanos 6.12-13

Como é possível?

Caros amigos, isso só é possível por que, além de sermos libertos da servidão do pecado, nos tornamos servos da justiça!!!

Paulo continua: “... Pois assim como apresentastes os vossos membros como servos da impureza e da iniqüidade para iniqüidade, assim apresentai agora os vossos membros como servos da justiça para santificação... Mas agora, libertos do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna.” Romanos 6.19,22

Se nada te dói quando você comete um pecado, há algo de errado aí, não é?
Talvez você não tenha se dado conta que ainda não se tornou servo da justiça.

Mas corra, ainda há tempo.

Lembre-se:

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor.” Romanos 6.23

Vi no Discutindo a Bíblia.

ELE é o Tesouro.


Igreja vs Mundo

 

   John MacArhtur, autor de mais de 150 livros e conferencista internacional, é pastor da Grace Comunity Church, em Sum Valley, Califórnia, desde 1969; é presidente do Master’s College and Seminary e do ministério “Grace to You”; John e sua esposa Patrícia têm quatro filhos e quatorze netos.

    Por que os evangélicos tentam cortejar desesperadamente o favor do mundo? As igrejas planejam seus cultos com o objetivo de agradar as pessoas que não freqüentam qualquer igreja. Artistas cristãs imitam todas os estilos efêmeros do mundo tanto na música como no entretenimento. Os pregadores estão horrorizados com o fato de que a ofensa do evangelho pode colocar alguém contra eles, por isso omitem deliberadamente partes da mensagem que o mundo não aprovara.

    O evangelicalismo parece ter sido seqüestrado por legiões de porta-vozes carnais que estão fazendo o melhor que podem para convencer o mundo de que a igreja pode ser tão inclusiva, pluralista, mente aberta como as pessoas mais mundanas.

    A busca pela aprovação do mundo é o mesmo que prostituição espiritual. De fato, essa foi exatamente a  figura que o apóstolo Tiago usou para descrevê-la. Ele escreveu: "Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus" (Tiago 4.4).

    Sempre existiu e existirá uma incompatibilidade fundamental entre a igreja e o mundo. O pensamento cristão não se harmoniza com todas as filosofias do mundo. A fé genuína em Cristo envolve uma negação de todos os valores mundanos. A verdade bíblica contradiz todas as religiões do mundo. O cristianismo é, por essa razão, oposto a quase tudo que este mundo admira.

    Jesus disse aos seus discípulos: "Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós outros, me odiou a mim. Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; como, todavia, não sois do mundo, pelo contrário, dele vos escolhi, por isso, o mundo vos odeia" (João 15.18-19).

    Observe que nosso Senhor considerou uma realidade absoluta o fato de que o mundo desprezaria a igreja. Em vez de ensinar seus discípulos a tentarem conquistar o favor do mundo, por reformularem o evangelho, para que este se adequasse às preferências do mundo, Jesus advertiu expressamente que a busca pelos louvores do mundo é uma característica dos falsos profetas: "Ai de vós, quando todos vos louvarem! Porque assim procederam seus pais com os falsos profetas" (Lucas 6.26).

    Depois, ele esclareceu: "O mundo... me odeia, porque eu dou testemunho a seu respeito de que as suas obras são más" (João 7.7). Em outras palavras, o desprezo do mundo para com o cristianismo origina-se de motivos morais, e não intelectuais: "O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más. Pois todo aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não serem argüidas as suas obras" (João 3.19-20). Essa é a razão por que, não importando quão profundamente diversa seja a opinião do mundo, a verdade cristã nunca será popular no mundo.

    No entanto, em quase toda a era da história da igreja, tem havido pessoas na igreja que estão convencidas de que a melhor maneira de ganhar o mundo para Cristo é satisfazer os gostos do mundo. Essa maneira de agir sempre trouxe detrimento à mensagem do evangelho. As únicas épocas em que a igreja causou impacto significante no mundo foram aquelas em que o povo de Deus permaneceu firme, recusou comprometer-se e proclamou com ousadia a verdade, apesar da hostilidade do mundo. Quando os cristãos se esquivaram da tarefa de confrontar as ilusões mundanas populares com as verdades bíblicas impopulares, a igreja perdeu a sua influência e mesclou-se impotentemente com o mundo. Tanto a Escritura como a história atestam esse fato.

    E a mensagem cristã não pode simplesmente ser mudada para se conformar com as vicissitudes das opiniões do mundo. A verdade bíblica é fixa e constante, não sujeita a mudança ou adaptação. Por outro lado, a opinião do mundo está em fluxo constante. As tendências e as filosofias que dominam o mundo mudam radicalmente, com regularidade, de geração a geração. A única coisa que permanece constante é o ódio do mundo para com Cristo e o seu evangelho.

    Com toda a probabilidade, o mundo não adotará por muito tempo qualquer ideologia em voga neste ano. Se o padrão da história serve como indicador, quando os nossos netos se tornarem adultos, a opinião do mundo será dominada por um sistema completamente novo de crença e todo um novo sistema de valores. A geração de amanhã renunciará todas as modas e filosofias passageiras de hoje. Todavia, uma coisa se manterá inalterada: até que o Senhor volte e estabeleça seu reino na terra, qualquer ideologia que ganha popularidade no mundo será hostil à verdade bíblica, como o foram as suas antecessoras.

Por John MacArthur (Traduzido pela Editora Fiel)

Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus. Efésios 6:6